Looking for Something?

Rio de Janeiro: Rubaiyat

Author:
rubayiat-couvert

O Rubaiyat é uma casa famosérrima de São Paulo e fazia teeempos que eu tava pra ir na versão carioca, que abriu num dos lugares que mais curto na cidade, o Jockey Club. Só que eu ando numa vibe mais bistrô (ai, que mala, eu) e menos comidão. E o Rubayiat, por mais que tenha uma decoração elegantérrima (o que é aquela adega imensa, meu Deus? Quero morar dentro dela) e uma vista deslumbrante para a pista de corrida (dica: ir aos fins de semana, quando os páreos começam cedo, no início da tarde), é filosoficamente uma casa de carnes, daqueles lugares perfeitos praquele almoção com a família. Almoço chique, é verdade, mas menos intimista, por assim dizer, já que o salão tem 1,4 mil metros quadrados.

Por isso, claro, fiquei bastaaaante curiosa quando soube da existência de um menu de outono, concebido pra aquecer os corações agora que as temperaturas estão caindo (naquelas, né, gente, afinal é o Rio). E numa noite de vento geladinho e ótimas companhias lá fui eu (a convite da casa) conhecer os pratos sazonais.
 rubayiat-shiitake
rubayiat-tagliatelle
A ideia é simples: três opções de entrada, três de principal e duas sobremesas, que podem ser combinadas ao gosto do freguês. Pra começar a noite, depois de provar o bom couvert da casa (beijo, pão de queijo!) pedi o Shiitake, queijo manchego e pinholes, sobre massa fininha e crocante. Tipo um canapé tamanho jumbo (R$ 30). Gostoso, mas gostei ainda mais do Tagliatelle de palmito com creme de trufa e parmesão (R$ 36), levinho, com trufa na medida certa, ou seja: sem exageros (eu tenho uma teoria de que trufa é o novo objeto de ostentação da gastronomia e que a galera acaba abusando pra demonstrar riqueza: no fim das contas transforma o prato em algo fortíssimo e indigesto. Trufa é pra usar com parcimônia, galera, e o Rubaiyat graças a Deus entendeu isso, amém, obrigada, flw, vlw).
 rubaiyat-cordeiro
rubayiat-contrafile
Dos principais, provei as três opções:  o Prego na brasa com ervilhas tortas e molho de vinho tinto e açaí (R$ 89), o meu pedido (que eu não tirei foto, gênia!). O prego é um peixe mais pesado, com gosto forte, e o molho, como é de se esperar, também. Dá samba. Belisquei também o Lombo de cordeiro com baunilha e batatas confitadas (R$ 108), que achei uma delícia, suave, e olha que eu não sou das maiores fãs de cordeiro justamente por me incomodar com o gosto de carne de caça. Meu preferido, porém, foi o Contrafilé com purê de batatas, figos e molho de vinho do Porto (R$ 89), que tava todo equilibradinho, excelente.
 rubaiyat-sobremesa
De sobremesa, fui de Cremoso de chocolate com gelatina de laranja, azeite e sal (R$ 26), uma combinação que ainda bem que não é mais tão incomum assim porque chocolate com azeite e sal é uma invenção maravilhosa, obrigada aí, você que teve a ideia, seja lá quem você for.
Vou dizer que curti bem o menu sazonal, e curti mais ainda que o ambiente é lindíssimo, o que me empolgou a voltar pra encarar os pratos tradicionais do grill, de coração aberto.

Nota da Nina: O que eu mais gosto do Rubaiyat é a sensação de que você vai sentar naquele lugar (lindíssimo) e vai passar a tarde toda ali. O melhor, pra mim, é a combinação couvert + cerveja + domingo à tarde, sinceramente. Mesmo que eu tenha sido muito feliz nas duas vezes que pedi o Baby Gold (é caro, mas valeu), não senti nenhuma empolgação dos meus companheiros comensais quanto aos outros cortes de carne – mas a deliciosidade do clima do restaurante é unânime.

Serviço
Rua Jardim Botânico, 971 – Jardim Botânico, RJ
Seg a qui, das 12h a 0h. Sex e sáb, das 12h a 1h. Dom, das 12h às 18h.
+55 21 3204-9999
$$$

ass-4-liv

Rio de Janeiro: Boteco D.O.C.

Author:
botero-sanduiche

Eu não sei vocês, mas eu tenho uma lista própria dos atributos que fazem de um bar um candidato à perfeição. É entrar em um estabelecimento e começar o checklist mental: luz baixa, cardápio enxuto, boa seleção de IPAs e APAs, preço justo, decoração cool, proximidade de casa (essa é terrível, eu sei, mas afeta meu julgamento), atendimento informal e solícito, petiscos surpreendentes e conforto. Essa é a minha lista (aproveita pra contar a sua aí nos comentários).

O Boteco D.O.C. preencheu de cara boa parte desses atributos e ganhou um lugar no meu coração. Eu nunca tinha ido lá, apesar das recorrentes indicações dos conhecidos e da proximidade da minha casa. O lugar é bem escuro e pequeno, o que pode incomodar uma galera, mas que é do jeito que eu adoro.

botero-jeffrey

Pedimos uma Jeffrey Niña (R$14) pra começar (que cerveja maravilhosa, minha gente) e dois pastéis: Carne Assada (de Boeuf Bourguignon, R$5,50) maravilhoso e Queijo (com confit de cebola roxa e mel de tomilho, R$5,50) apenas bom, mas vale a pena experimentar.

botero-dadinhos

Depois, Dadinhos de tapioca e queijo coalho (com geleia de açaí, R$25) que estavam deliciosos, mas eu sinceramente preferia que o molho fosse mais doce e menos azedinho. O acompanhamento ideal pra mim para queijo coalho é geleia de pimenta, sabe?, docinho com punch.

botero-sanduiche

Normalmente, em seguida, eu pediria o carro chefe da casa. Toda vez que eu vou a um restaurante ou bar que não conheço, prefiro pedir a sugestão dos chef – que no caso era o trio de mini burguer. Mas nesse dia meus instintos mandaram pedir o Sanduba de barriga de porco assada oriental style (servida na baguete com broto de feijão, R$23). Apesar do nome exagerado, ele estava totalmente delicioso! Bem oriental e muito saboroso.

Eu bem queria continuar comendo e pedir outras coisas, mas pedimos mesmo foi mais cerveja – eu culpo os dadinhos de tapioca que me encheram até a alma. Voltarei especialmente para comer o Trio de mini hamburguer e para o Milkshake Pulp Fiction, prometo.

Rua das Laranjeiras, 486 – Laranjeiras
+55 21 3486.2550
Terça à sexta das 12h à meia noite, sábado das 13h à 1h, domingo das 12h às 17hs
Preço: $$

ass-4-nina

Rio de Janeiro: Puro

Author:
puro_entrada2

Acho que já disse aqui antes (opa, disse sim, no post sobre o Naturalie Bistrô, aliás preciso voltar lá, e no do Refeitório, idem), se tem um movimento gastronômico que eu apoio, é o tal eat clean, que entre alguns preceitos prega, basicamente, que você preste atenção no que você está botando pra dentro do seu corpinho e faça isso com mais cuidado e consciência, substituindo porcarias por coisas boas. Não é tão difícil, faz bem pro corpo, pra alma e evita culpa.

puro_chips

Por isso, sempre que abre no Rio algum restaurante com essa pegada, meus olhinhos brilham. Caso do Puro, primeiro empreendimento do chef Pedro Siqueira, e mais uma opção no Jardim Botânico (que é *o* novo bairro mais legal pra se comer na cidade, que mané Botafogo!), inaugurada no finzinho de março. A proposta ali é servir releituras de pratos clássicos e caseiros, priorizando ingredientes frescos, produzidos a no máximo 200km do restaurante. Bom, né?

Daí que dia desses bateu uma vontadezinha de explorar uma novidade e lá fomos eu e marido, meu companheiro de aventuras. O Puro fica numa casa enorme, de três andares, na esquina da Visconde de Carandaí com a Pacheco Leão (e por isso não recomendo ficar nas varandas até passar o horário do rush por motivos de: buzina), que formam o novo baixo JB.

puro_entradas

Pedimos pra beliscar os Chips de raízes com sal de limão picante, daqueles que não tem como errar (R$ 17). De entrada, eu bem quis pedir tudo e ignorar o prato principal (tem moela de pato confitada, gente!), mas acabei me rendendo ao Pão com ovo a carbonara e barriga de porco (um brioche com molho de ovo e grana padano e uma gema mole por cima + a parte mais maravilhosa do porquinho, esse bicho maravilhoso, R$ 28). Achei adorável. Marido foi Tartar de carne rústico, o bom e velho steak tartar, que vem com os ingredientes pra serem misturados na hora, em duas porçõezinhas pequenas (R$ 28). Também tava daqui, ó.

puro_costela

Começamos lindamente bem, acompanhados por vinho rosé. O atendimento é perfeito (valeu, Henrique!), daqueles que a gente comemora quando encontra no Rio, o problema é que o serviço é demoraaaaaado que só. Levou um bom tempo (mais de meia hora) até chegarem os pratos principais, que foram Filé de costela com raspa de manteiga pura, legumes tostados e farofa de milho da roça (R$ 58), pra mim, e o Puro Burguer (blend exclusivo, queijo minas padrão, tomate confitado e cebola caramelizada), pra ele.

puro_burgers

Pedimos os dois ao ponto, como sói ser. A costela veio perfeita, vermelhinha por dentro, um amor. O hambúrguer, porém, veio bem passado demais. E aí fica seco, né? Pena (veja bem, super entendo quem tem eca de carne crua, mas o ponto ~normal~ de hambúrguer é bem vermelho por dentro, qualquer outra mudança, pra mais ou pra menos, já não é mais ao ponto).

puro_sobremesa

Pra sobremesa, sempre comemorando a não existência de brownie ou petit gâteau com sorvete de creme (sério, é bom e tudo mais, mas precisa ter em TODOS os lugares? Que tédio!) pedimos o Pão de mel quente, servido com sorvete de doce de leite, crocante de chocolate, canela e calda de chocolate (R$ 21), uma versão mais do que perfeita. Tava incrível mesmo.

Apesar dos (poucos) pesares, quero muito voltar no Puro. Mas acho que vou pilhar uma galera (o lugar enorme) e brincar de pedir todas as entradas do cardápio, que é pra todo mundo se divertir.

Serviço
Rua Visconde de Carandaí 43, Jardim Botânico
Seg a qui, das 12h a 0h. Sex e sáb, das 12h a 1h. Dom, das 12h às 18h.
+55 21 3284-5377
$$$

ass-4-liv

As chicks


Liv Brandão.
29 anos, jornalista, libriana (apesar de não acreditar nessas coisas). Fala basicamente sobre séries, comida, música, moda e beleza. O que já rende um bom papo de bar, né?


Nina Ribeiro.
28 anos, publicitária, feminista. Escreve sobre moda, trabalha com marketing em gastronomia, bebe uísque, ama gatos e come absolutamente tudo (que não seja alérgica).

Facebook

Facebook By Weblizar Powered By Weblizar

Disclaimer

A gente é legal, mas não se responsabiliza por cardápios, preços e horários de funcionamento divulgados nesse blog. Sempre cheque as informações antes de sair de casa!

Siga também

Contato

falecom@deepfriedchicks.com.br